Pelo que você trabalhará no ano que vem?

mercado-de-trabalho

Por Sílvio Celestino

Para os fãs do tênis, é um momento especial ver a final de Wimbledon e ouvir Roger Federer declarar que continua com fome (de vitórias). Apesar da derrota para Novak Djokovic, ele afirmou que deu o seu melhor e que estará de volta no ano que vem. E você? Também ouve o coração ao decidir o futuro de sua carreira?

Vencendo ou perdendo as batalhas da vida, olhar para o futuro e não ver um motivo inspirador para estar lá pode fazer o profissional perder o fio da meada de sua carreira. Isso deveria ser motivo de preocupação e alerta, pois, na maioria das vezes, o indivíduo somente desperta para o futuro quando este chega de maneira desfavorável. E, nesse caso, será tarde demais para fazer algo a respeito.

Isso acontece porque, para nos preparar para o futuro, precisamos ouvir não apenas nossa razão, mas também nosso coração, e pelo que ele bate mais forte.

Claro que dinheiro é importante, e é uma tremenda irresponsabilidade abraçar uma carreira que não seja economicamente viável para você. Entretanto, dinheiro, sozinho, não traz felicidade. Ele só permite a você ir chorar em Roma, Paris, Milão, Nova York… O que, convenhamos, não é nada mau. Mas você precisa de um motivador maior que apenas ele.

Você deve ser capaz de observar seu futuro como se fosse um filme a seu respeito. Se você continuar a ver as mesmas pessoas que vê hoje, a frequentar os mesmos lugares e a conversar sobre os mesmos temas, estará feliz? Energizado? Se a resposta for “sim”, e não houver nenhuma ameaça a seu filme, por exemplo, uma nova tecnologia, um competidor ou a mudança da legislação do setor, então continue onde está.

Se a resposta for “não”, comece a procurar algo diferente desde já. Não fique parado, imaginando que alguma coisa vai acontecer e que o futuro se modificará por mágica. Você precisa, desde já, buscar e descobrir pelo que você estará vibrando com energia nos próximos anos.

Assim como Roger Federer, você pode ter dado tudo de si, e o resultado não ter sido exatamente como você gostaria. Mas saiba reconhecer-se e avaliar se, no próximo ano, os motivos para continuar estarão presentes e fazem seu coração bater mais forte.

Se a resposta for negativa, mude. Se for positiva, mantenha-se firme no leme. Afinal, o mundo precisa de pessoas que dão o melhor de si todos os dias. Seja uma delas!

Vamos em frente!

 

Fonte: Gestão RH

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest