O que fins de semana revelam sobre satisfação no trabalho

descansar-final-semana

 

Sábados e domingos são os únicos dias divertidos da sua semana? Um estudo recente feito por pesquisadores americanos do National Bureau of Economic Research investigou cientificamente os efeitos do fim de semana – e da sua espera ao longo dos dias úteis – nas emoções dos trabalhadores americanos.

A pesquisa corrobora a intuitiva ligação entre a vontade incessante dos trabalhadores pelo fim de semana e insatisfação no trabalho – e com o próprio chefe.

Ao longo de quatro anos os pesquisadores entrevistaram quase 2 milhões de norte-americanos sobre suas respectivas emoções durante a semana e nos dias de repouso. Como era esperado, níveis de estresse caem para a maioria durante a folga semanal e sensação de alegria sobe, o que os pesquisadores chamam de “efeito fim de semana”.

Mas, para quem trabalha em um local saudável e considera os superiores como parceiros de equipe, o tal efeito “fim de semana” não é percebido – principalmente se a vida social é mantida nos dias comerciais.

Segundo os responsáveis pelo estudo, se o dia a dia do funcionário é positivo, de maneira geral, a espera para ficar longe do trabalho é muito menor, assim como a variação nas emoções entre os dias de folga e de expediente.

O presidente da Volvo Cars no Brasil, Luis Rezende, é um dos que não deixam a semana só para o trabalho. Sempre que ele pode, cozinha e vai para a terapia. Além de focar em sua própria qualidade de vida, ele procura manter um local de trabalho saudável e com benefícios sociais.

Toda a sua equipe é liberada sexta-feira na hora do almoço, frutas e café são distribuídos à vontade durante o dia e até um professor de inglês particular fica à disposição de todos em período integral – inclusive para os estagiários. “Nós valorizamos muito a família e a vida pessoal de cada um”, diz. “Eu procuro ser inspirador e facilitador com o meu time. Só assim eu cobro resultados”.

 

Fonte: Exame

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest