O perfume genérico

A paulista Fator 5 cresce a uma taxa anual de 60% com fragrâncias sofisticadas — mas com preço adaptado às classes populares
Por Yuri Vasconcelos

A empresa paulista de perfumes Fator 5 é um bom exemplo de que a inovação, nos negócios, não depende necessariamente de inventar produto ou tecnologia inéditos. Muitas vezes, ela está em fazer de outra forma algo que já existe. Os perfumes da Fator 5, da empresária Márcia Carvalho, de 50 anos, não são resultado de pesquisas de ingredientes inéditos ou de estudos que antecipam tendências. A empresa faz perfumes que imitam fragrâncias concebidas por grifes já aprovadas pelo mercado, como Chanel e Dolce & Gabbana. A empresa deve obter um faturamento de 24 milhões de reais neste ano — cerca de 30% mais do que no ano passado.

Os contratipos — classificação que o setor dá a esse tipo de perfume — são vendidos de porta em porta por um exército de 110 000 vendedoras. Como os contratipos podem ter preços que chegam a ser até um quinto do de seus originais, Márcia tem feito a empresa crescer sobretudo nas camadas mais baixas da pirâmide social. “Nossos grandes consumidores estão nas classes C e D”, diz Márcia, uma ex-professora de biologia da rede pública que trabalhou dez anos vendendo produtos da Natura antes de abrir o próprio negócio, em 1995. O trabalho na Natura deu tão certo que um dia ela sugeriu ao marido, na época empresário do ramo metalúrgico, que criassem uma empresa para vender perfumes.

Nos próximos meses, a Fator 5 precisará mostrar se está pronta para continuar crescendo na mesma velocidade dos últimos tempos, e até que ponto será capaz de seguir ganhando mercado com a fórmula usada até aqui. A empresa está prestes a inaugurar uma fábrica no município de Arujá, a 37 quilômetros de São Paulo. A unidade terá uma área industrial de 6 500 metros quadrados e capacidade para produzir 8 milhões de frascos por mês. É um volume bem superior aos 300 000 fabricados mensalmente nas atuais instalações do bairro da Vila Matilde, na zona leste de São Paulo. “Será uma das maiores e mais modernas fábricas de perfume da América Latina”, diz Luciano Carvalho, sócio de Márcia. “Ela foi propositadamente superdimensionada para que possamos crescer sem gargalos.” A nova fábrica foi projetada pelo escritório paulista Roberto Loeb Arquitetura, o mesmo que desenhou a moderna fábrica da Natura, em Cajamar, na região metropolitana de São Paulo.

A combinação de preços baixos com volumes de venda maiores foi bem recebida pelos especialistas. “Se a empresa continuar com o foco no público de baixa renda, tem tudo para seguir crescendo”, diz a antropóloga Luciana Aguiar, sócia do Instituto de pesquisa Data Popular, de São Paulo, que recentemente fez uma apresentação para a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos sobre o bom potencial do consumidor de baixa renda no mercado de cosméticos, que cresceu em média 10,7% ao ano entre 2001 e 2005.

Para produzir os perfumes, a Fator 5 importa dos Estados Unidos as essências, que são processadas no Brasil. Ao clonar fragrâncias famosas, a empresa mantém em seu catálogo bons produtos sem precisar investir nem um tostão sequer em pesquisa e desenvolvimento. O portfólio da Fator 5 tem, ao todo, 74 perfumes femininos, masculinos e unissex. Eles são identi ficados para o consumidor apenas com um número. O 35, por exemplo, tem como modelo o Fahrenheit, da Dior, enquanto o 84 lembra o Dolce & Gabbana Man e o 8 tem uma fragrância muito parecida com a do Chanel no 5. O negócio é legal. A única restrição é que a Fator 5 não pode fazer referência em suas propagandas às marcas que servem de inspiração.

FONTE: Portal Exame

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

2 comentários em “O perfume genérico

  • 29 de junho de 2010 em 1:08
    Permalink

    ola pessoal,gostei da materia,gostaria de saber,se voces comercialisam no varejo,se sim qual o endereço.abraço

    Resposta
  • 3 de junho de 2013 em 8:19
    Permalink

    EXCELENTE MATÉRIA. ADORO PERFUMES E ATÉ CADASTREI PARA ME TORNAR REVENDEDOR. TENHO A FATOR 5 EM PENSAMENTO COMO EMPRESA SÉRIA, EMBORA NÃO ME TORNEI (AINDA) COSNSUMIDOR. ESTOU AVALIANDO A POSSIBILIDADE DE COMPRAR UM PERFUME PARA EXPERIÊNCIA E POSTERIORMENTE COMEÇAR AS VENDAS. COM O FATURAMENTO QUE ELA TEM E AMPLIAÇÃO DOS NEGÓCIOS, NÃO É A TOA QUE ESTÁ NESSA EXPANÇÃO. QUE CONTINUE CRESCENDO SEMPRE. PARABÉNS.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest