Estrutura horizontal: sonho ou realidade?

Google Imagens

Marcos Perez

Hierarquia faz parte do mundo corporativo e a falta dela afeta diretamente a rotina de trabalho. Porém, muitas empresas têm apostado em um novo formato de RH, diferente do convencional, que segue um organograma vertical. Ao contrário deste, baseado em uma hierarquia larga, com vários diretores, gerentes e subgerentes, a estrutura horizontal busca simplificar as relações internas, diminuindo as barreiras entre a alta direção e o restante da equipe. A grande dúvida que paira entre os gestores é se realmente as empresas estão preparadas para este novo modelo, que garante mais liberdade aos colaboradores.

Um dos principais diferenciais de uma empresa horizontal é o fato das relações hierárquicas serem mais amenas, ou seja, o cargo mais baixo na hierarquia não está numa posição abaixo dos outros (o que pode ser avaliado como menos importante), mas sim ao lado dos demais. Essa eliminação de camadas intermediárias de gerência aproxima o principal executivo dos subordinados.

Além disso, várias pessoas passam a responder para um único representante – normalmente o presidente ou o country manager. A estrutura horizontal mescla a centralização e a descentralização de suas operações, pois as decisões deixam de vir de cima e passam a ser delegadas. Por um lado temos o diretor executivo conectado diretamente com os níveis mais baixos na organização, em uma forma de centralização; mas, por outro, a autoridade para tomada de decisões está sendo delegada para os níveis mais baixos, descentralizando.

O trabalho em uma empresa com RH horizontal é um desafio diário, pois o perfil de profissional indicado para atuar nessas companhias precisa acumular características de líder e gerente, ter foco, clareza e entender que o negócio tem que gerar resultado sempre. Paralelamente, a estrutura tem que ser leve e deve dar feedback aos colaboradores em tempo real.

A grande verdade é que não existe estrutura melhor ou pior. Tudo depende do perfil da empresa e, principalmente, dos seus executivos, do quanto eles estão maduros para lidar com a abertura dada aos funcionários para a troca de ideias e contribuições. Em uma empresa horizontal, todos são líderes e se sentem à vontade para expor suas vontades e projetos.

Antes de optar por esta forma de trabalho, a companhia precisa ser minuciosamente analisada quanto ao seu negócio, perfil de produto, público, etc. A tendência é que, naturalmente, as empresas com RH mais avançados se tornem horizontais, pois essa forma de trabalho encurta as distâncias, reduz as operações burocráticas e aumenta a velocidade das informações e tomada de decisões. Quanto maior o nível hierárquico dentro de uma empresa, mais lentamente as decisões são tomadas e as situações resolvidas, pois sempre precisam passar por consultas e avaliação de vários executivos que têm suas agendas cheias de compromissos.

O organograma horizontal para as empresas, portanto, está entre as principais tendências do mundo corporativo. Sua estrutura se destaca porque toda sua organização se dá em torno dos processos e do gerenciamento dos projetos em equipe, gerando recompensa e estímulo. Essa forma de trabalho proporciona mais satisfação dos envolvidos e, nesse cenário, todos podem contribuir diretamente para o crescimento da companhia onde atuam.

 

Fonte: RHCentral

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest