Como resolver a falta de garra nos executivos?

Como resolver a falta de garra nos executivos?

Habilidades como audácia, perseverança, pró-atividade e resiliência fazem a diferença entre um bom e um mau CEO. Porém, o que se percebe é que, atualmente, essas capacidades são raras entre os executivos que dominam o idioma inglês. Por outro lado, a grande maioria das faculdades também não exploram o desenvolvimento dessas qualidades nos futuros administradores que por sua vez entram em empresas de baixa autonomia decisória.

Para avaliar as causas deste fenômeno e descobrir formas de como as faculdades podem contribuir para aumentar a “garra” dos executivos, me reuni, recentemente, com jornalistas, recrutadores e outros profissionais que lidam com esses gestores desde o início da entrada deles no mercado de trabalho.

Durante o encontro foi possível identificar que falta garra entre estes jovens executivos do sexo masculino, que são a maioria no mercado, e que este fato poderia ter origem na famosa “super-proteção” dos pais. Essa proteção os teria privado das oportunidades de confrontação sem regras nas quais os jovens medem as suas forças e adquirem segurança em si proprios. Assim, falta a estes jovens a coragem para sair da “zona de conforto”, enfrentar novos desafios e dirigirem com convicção.

A proteção excessiva é principalmente o resultado do aumento da violência na sociedade, aliado ao menor número de filhos por família. Mas, este zelo demasiado limita o desenvolvimento do jovem e propicia a formação de um adulto inseguro, pouco apto para liderar.

O interessante é que garra é facilmente encontrada em jovens de outras classes sociais, que são obrigados a trabalhar desde muito cedo, a se socializar sem regras e a exercer diversas funções para garantir a sobrevivência. Contudo, eles não têm, por sua vez, uma aprofundada qualificação técnica sobre gestão.

Portanto, uma solução viável seria a realização de um trabalho conjunto entre escolas de negócios e empresas para o treinamento e qualificação de profissionais de classes sociais menos favorecidas, gerando, além de uma inclusão social, um executivo com mais garra.

 

Fonte: RH Central

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest