Cabe às lideranças indicar o caminho para o futuro

Google Imagens

Francisco Ramirez

Tempos de tempestade e incerteza exigem das lideranças o que estas têm de melhor de sua vivência e de sua habilidade para abstrair-se do caos presente e vislumbrar o futuro. A atual crise global da economia trouxe para dentro de casa a ansiedade presente em todos os mercados e a necessidade de ajustes estruturais em distintos setores econômicos e empresas. E, principalmente, em sua estrutura de comando. Não se busca apenas o que é necessário para atender às urgências da crise atual, mas, sim, aquele elenco de qualificações que serão decisivas para manter a organização viva e sa udável, à medida que caminha em direção ao futuro.

Cabe às Diretorias Executivas e os Conselhos de Administração/ Consultivos das empresas, neste momento, uma árdua tarefa. Uma reflexão inicial desta liderança sobre os interesses dos vários grupos envolvidos, entre eles clientes, empregados, fornecedores, investidores e reguladores, poderia ser o ponto de partida para a concepção de uma nova visão da empresa e de seu futuro. Este trabalho, que se inicia com a revisão da história e dos fatores responsáveis pela sustentabilidade da empresa até então, requer em seus desdobramentos posteriores inventividade para criar as novas bases e diferenciações que a levarão, ou não, ao êxito e sobrevivência: a sua nova estratégia.

No entanto, mesmo essenciais, o desenho da estrutura e das competências necessárias para construir o futuro não são suficientes para assegurar a perenidade e a saúde da organização. É preciso que a liderança – Diretoria Executiva e Conselho – seja capaz de comunicar bem a nova estratégia empresarial e inspirar seus liderados para que estes a abracem e dela se apropriem com todo seu talento e motivação.

Em nosso País, ainda em busca de um amadurecimento sobre as práticas de governança, há muito sendo feito para que se possa obter uma sintonia fina entre Conselho e Diretoria Executiva. Como otimista, acredito que a pressão gerada pela crise – “A necessidade é a mãe da invenção”, Platão – é um poderoso argumento para que a liderança se alinhe e atue de maneira coesa, ágil e objetiva.

Temos trabalhado no Brasil e em outros países (Europa e Américas) cujas práticas de governança e direcionamento estratégico estão nos mais variados estágios de desenvolvimento. Contudo, nossa vivência mostra que qualquer que seja a geografia, o estágio, a natureza, ou complexidade das questões, cabe à liderança o papel essencial de articular o desenvolvimento da empresa de maneira sustentável.

Para que esta tarefa seja realizada com a amplitude e profundidade necessária são críticas: a qualificação e a composição Direção Executiva e do Conselho de Administração/ Consultivo. São estes talentos e lideranças que, bem orquestrados fazem a diferença, articulam a visão e estratégias da empresa e inspiram e energizam o seu time em direção ao futuro.

 

Fonte: RH Central

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest