As redes sociais matarão os sites de empregos?

Cezar Antonio Tegon

Nos últimos dias, a imprensa especializada, a partir de uma informaçao publicada pelo site “GigaOM”, noticiou com bastante destaque que o LinkedIn está se preparando para lançar um recurso que vai permitir que usuários se candidatem a vagas de emprego usando seus perfis. A novidade, que deverá receber o nome de “Apply with LinkedIn” (candidate-se com o LinkedIn, em português), nos abre espaço para uma pergunta: “As redes sociais matarão os sites de empregos?”.

Nos últimos contatos que tenho feito com profissionais de diversas áreas, inclusive os de RH, tenho notado que existe uma grande confusão em relação ao papel das redes sociais nas atividades de recrutar e selecionar pessoas.

É óbvio que as redes sociais são bons mecanismos de captação de candidatos – receber currículos e anunciar vagas. Mas o que ocorre após você visualizar os currículos dos interessados? Deve iniciar a escolha e analisar os currículos fazendo comparações entre os requisitos da vaga e dos candidatos, certo? Então me digam: o que tem de novo nisso em termos de recrutamento e seleção? Absolutamente nada!

Esta maneira “nova” de captar é muito semelhante às formas tradicionais, feitas em sites de empregos e que já são bem conhecidas pelos recrutadores. Nestes, as funções disponíveis são: 1. anuncio da vaga; 2. recebimento dos currículos dos candidatos interessados; 3. aplicação de filtros simples para encontrar os potenciais finalistas (o que as redes sócias ainda não tem, nas devem ter em breve) e 4. imprimir os currículos desses últimos para iniciar as comparações entre os requisitos da vaga e dos candidatos. Portanto, somente após essas etapas inicia-se o processo de escolha!

Podemos concluir que as redes sociais, assim como os tradicionais sites de empregos do mercado, se prestam ao mesmo fim e são muito semelhantes em seu propósito. Servem basicamente para anunciar vagas e captar candidatos. Mas então o que seria o novo? A resposta esta em utilizar fortemente as redes sociais para ser um canal eficaz de relacionamento e captação de candidatos;

 

Fonte: RH Central

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest