A desmotivação no ambiente de trabalho

Google Imagens

A falta de incentivo é um fator que vem atingindo diariamente a vida de muitas pessoas. Na maioria da vezes é gerada pela falta de reconhecimento, salário inadequado, condições insatisfatórias para exercer a atividade e discordância da política da empresa. No campo gerencial a questão não é diferente, porém seus efeitos são ainda mais nocivos. Afinal, cabe ao profissional a tarefa de liderar uma equipe, exercer um cargo de confiança e compartilhar com a diretoria importantes decisões e estratégias da empresa.

Segundo Wilson Mileris, consultor especializado em vendas e recursos humanos, é necessário que o gerente consiga identificar quais são os verdadeiros fatores que levam os funcionários à desmotivação no trabalho, entendendo que nem só de elogios será construído o seu dia-a-dia. “É muito comum as pessoas dizerem que toda segunda-feira irão em busca de um novo emprego, pois sente que já fez o suficiente na empresa atual. Embora, os elogios de um chefe possam até alegrar o colaborador, não é o suficiente”. – comenta.

Mileris aconselha “Neste caso, é fundamental que seja analisado os verdadeiros motivos deste descontentamento e, assim, iniciar uma nova fase na sua vida profissional”.

Para o colaborador, o fato de se sentir muito atribulado pode apontar uma falha importante: a falta de delegação. “Às vezes você começa a ganhar espaço pela competência e, por fim acaba com mais atribuições do que deveria. Só que mesmo você sendo capacitado a fiscalizar tudo, o certo é dividir as tarefas para que o dia-a-dia atropelado não o desestimule a crescer”, esclarece.

Fonte: RH Central

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Um comentário em “A desmotivação no ambiente de trabalho

  • 24 de agosto de 2011 em 16:30
    Permalink

    Há uma relação direta entre a ausência de reconhecimento, baixos salários e lideranças abusivas e a desestimulação, insatisfação.
    A motivação não é um estado tão comum como podemos imaginar. Por isso, muitos executivos experimentam grandes frustrações ao tentar “motivar” seus times.
    Motivação, segundo as Teorias Psicológicas mais consagradas é definida como ação autogovernada, persistente e sempre voltada para finalidades bem específicas.
    Valores, motivos são de natureza relativa – muito diferentes das necessidades vitais, de primeira ordem, tais como fome, sede, sono, aonde a motivação ocorre infalivelmente. Essa é a questão. Dessa forma, nem todos atuam motivados por reconhecimento, bons salários ou ambientes estimulantes. Embora há na sociedade uma tendência em supervalorizar os fatores acima descritos, levando, portanto, à satisfação e o bem-estar – nossas velhas conhecidas situações de gratificação e recompensa.
    É fundamental deixar claro que a motivação não pode ser concebida de forma generalizada no comportamento. Assim, não é possível perguntar: “Afinal, ele está ou não motivado?”, e nem mesmo afirmar: `´E preciso motivar o time!”. Esta posição não é apropriada para a motivação, mas é pertinente quando almejamos estimular, reforçar as atuações práticas de nossa equipe.
    Obrigada,
    Angela Paes!
    Angela Paes!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest