6 aspectos que encantam os recrutadores

Imagem Divulgação

Comunicação e iniciativa são dois deles, e valem desde processos seletivos para estagiários até seleções para cargos executivos

Os critérios primordiais que os recrutadores utilizam para a contratação de profissionais – como perfil técnico e comportamental, valores e competências – são confidenciais.

No entanto, os especialistas revelam que alguns fatores podem fazer com que os candidatos saiam na frente nas entrevistas de emprego.

E estes aspectos são válidos tanto para seleções de estagiários, trainees, profissionais técnicos e também executivos. Jéssica Monteiro, da consultoria De Bernt Entschev, explica quais são eles:

1 Comunicação

Depois do currículo, é a capacidade de comunicação a primeira da lista de itens que interferem na avaliação dos recrutadores. “É avaliada em todas as etapas do processo, desde o primeiro o primeiro contato até a fase final”, diz Jéssica.

Expor com clareza e trazer informações relevantes sobre projetos dos quais participou e apresentar os pontos principais da trajetória profissional são indicadores desta habilidade que é muito valorizada pelas empresas.

“Preocupa-nos um candidato que não saiba se colocar de maneira correta, porque o profissional vai ser exposto a reuniões e situações em que precisa se comunicar com desenvoltura sobre assuntos, muitas vezes, complexos”, diz Jéssica.

2 Reputação e Relacionamento

A trajetória anterior do profissional é um ponto geralmente investigado em um processo seletivo. Por isso, é importante saber o que o mercado “diz” sobre você e quais as marcas que você imprimiu nos lugares pelos quais passou, explica Jéssica.

Quem mantém um bom relacionamento com ex-chefes e colegas de trabalho ganha pontos. “Faz toda a diferença, as empresas buscam referências com antigos gestores e, muitas vezes, fazem isso antes mesmo de convocar um candidato para a entrevista”, diz a especialista em executive search.

3 Planejamento

Mais um motivo para apostar em um plano de carreira. Quem tem metas profissionais bem definidas, além de mais chances de alcançar o sucesso, por conta das escolhas mais assertivas, fica mais perto de fisgar os recrutadores. “O tipo de empresa, sua cultura e também a natureza do cargo precisam estar relacionados ao objetivo de carreira do candidato”, diz Jéssica.

A especialista lembra que as respostas dos candidatos em relação ao planejamento profissional são essenciais na hora de reconhecer o seu potencial. “Têm total influência na avaliação, porque se a oportunidade não está alinhada ao objetivo de carreira, o profissional vai acabar ficando frustrado no cargo”, diz Jéssica.

4 Capacidade de tomar decisão

Alguns cargos demandam grande mudança na vida dos profissionais. Propostas para trabalhar em outras cidades, estados e até países, precisam ser avaliadas com cuidado, para que os impactos familiares e profissionais sejam levados em conta antes de tomar a decisão.

Aceitar em um primeiro momento e desistir depois pode desgastar a relação com os recrutadores e com a empresa que ofereceu a proposta, diz Jéssica.

“Por isso a gente coloca o maior número possível de informações para que ele possa avaliar e tomar a decisão de forma segura”, diz Jéssica. É claro que desistências acontecem, mas o importante, diz Jéssica, é ser transparente na hora de expor os motivos.

“Se o candidato opta por não ingressar em um projeto, é importante deixar claro quais foram os motivos. Assim poderemos direcioná-lo para outros processos seletivos”, diz Jéssica.

5 Inteligência emocional

A análise de características comportamentais ganha força nos processos seletivos. Afinal problemas desta ordem lideram a lista de motivos das demissões nas empresas.

Saber lidar com as emoções é um diferencial e resulta em mais chances de sucesso nos processos seletivos. “Quem demonstra equilíbrio emocional nas entrevistas de emprego vai agir assim também em outros momentos”, lembra Jéssica.

6 Iniciativa

Pró-atividade e interesse são considerados diferenciais de peso pelos recrutadores. “Nós atrelamos a iniciativa à ousadia do candidato”, explica Jéssica.

Encarar as oportunidades de carreira como desafios e estar sempre atento à demanda do mercado são exemplos de como colocar a inciativa em prática.

“Durante o processo seletivo, dá para perceber a disponibilidade e o interesse do candidato, até pelo número de perguntas que ele faz ao recrutador”, explica Jéssica.

Via: Exame

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest