4 Passos para diminuir a pressão no trabalho e planejar seu futuro

Google Imagens

1-APRENDA A NEGOCIAR
Se o chefe é truculento, dê sinais de que você prefere conversar com calma até chegar a uma solução viável. João Lins, especialista em recursos humanos, sócio da consultoria PricewaterhouseCoopers, acredita que há cada vez mais espaço para negociação nas empresas. “Vivemos num mundo de interdependência. As companhias dependem de profissionais motivados, que por sua vez dependem delas para sobreviver e se realizar profissionalmente”, diz

2- SAIBA DIZER “NÃO”
A administradora de empresas Débora Spanholeto, de 29 anos, de Campinas (SP), descobriu um jeito de dizer que está atolada de trabalho. “Quando vejo que não vou dar conta, pergunto a meu chefe qual é a prioridade”, diz. “Meu limite é a cobrança exagerada. Quando isso acontece, tento me organizar.” Ela é bastante disciplinada e identificou seu limite, aquela linha tênue que separa a alegria de um dia carregado de tarefas motivadoras daqueles cheios de pressão excessiva. Na hora de dizer “não”, os especialistas recomendam: evite frases do tipo “Não aguento mais”, “Estou com muito trabalho” ou “Não tenho tempo de tocar mais um projeto”. “Todo chefe prefere que os funcionários apresentem o problema e uma ou duas soluções viáveis”, diz Regina Madalozzo, professora do Insper São Paulo e especialista em mercado de trabalho.

3- DIVIDA RESPONSABILIDADES
Se ultimamente você tem sentido dores pelo corpo e as pessoas à sua volta passaram a reclamar do seu mau humor e intolerância, fique atento. Pode ser um sinal de que a pressão no trabalho esteja invadindo a vida particular. “Aprenda a delegar, negocie projetos, redistribua a carga de trabalho”, ensina Joel Dutra, professor da Fundação Instituto de Administração, de São Paulo. A princípio pode parecer difícil confiar um projeto ao colega do lado. Mas lembre-se que você pode continuar no comando sem centralizar todas as etapas.

4- MANTENHA-SE MOTIVADO
A consciência de que funcionários cansados e desmotivados fazem mal para os negócios já chegou a algumas empresas. Na multinacional Procter & Gamble a reação veio na forma de um plano de carreira capaz de dar perspectiva de longo prazo. “Sempre perguntávamos aonde o funcionário queria chegar e deixávamos claro como ele poderia crescer”, diz Monica Santos Longo, ex-gerente de recursos humanos da empresa. Infelizmente, companhias assim ainda são exceção. Porém, o exemplo sinaliza que há uma alternativa que concilia o desejo das pessoas com o lucro. Esse modelo de negócios requer uma nova relação de trabalho. Como qualquer transição, não se trata de um momento fácil ou confortável para os envolvidos. O jeito é ter muita paciência para negociar o que se deseja.

FONTE: Você S.A

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest