4 etapas obrigatórias na preparação para uma entrevista

Imagem Divulgação

A preparação do candidato para uma entrevista de emprego pode fazer toda a diferença na hora de garantir uma oportunidade profissional. No entanto, muita gente parece não levar esta máxima muito a sério.

Recente pesquisa realizada pela Robert Walters situou os brasileiros entre os profissionais que menos dedicam tempo para se preparem para a entrevista. O excesso de confiança é tamanho que 71,2% dos entrevistados gastam menos de uma hora nesse processo.

O levantamento, feito em 20 países com mais 2,5 mil pessoas, indica que o Brasil está abaixo da média global já que mais da metade dos entrevistados passa mais de uma hora se preparando para a conversa com o recrutador.

Isso acontece porque a preparação ideal para a entrevista de emprego, na opinião dos recrutadores, é composta de algumas etapas e cumprir todas elas leva tempo. Confira o passo a passo indicado por Claudia Monari, diretora da divisão de outplacement e career planning da Career Center, para fazer antes da entrevista e aumentar as chances de sucesso no processo seletivo:

1 – Repasse seus pontos fortes e fracos

Ao longo da sua trajetória profissional você deve ter percebido o que sabe fazer bem e em que situações encontra dificuldades. “A primeira coisa é se autoconhecer”, diz Claudia.

Quais são as suas habilidades? Que competências você ainda precisa desenvolver? Qual o calcanhar de Aquiles da sua carreira? Repasse momentos que comprovem seus pontos fortes e fracos. Você também pode conversar com pessoas que conhecem o seu trabalho para tentar responder às perguntas indicadas pela especialista.

2 – Relembre projetos dos quais fez parte – Repassar os principais momentos da carreira é fundamental para não engasgar na hora em que o recrutador perguntar o que você construiu nas empresas e cargos pelos quais passou. Vale lembrar que esta é uma das 20 perguntas mais frequentes nas entrevistas de emprego.

“Nós indicamos que os candidatos façam o exercício de escrever sobre os projetos dos quais participaram”, diz Claudia. Ao sentar para escrever lembre-se de que especificar o que você precisava fazer, como fez e que resultados foram atingidos.

“Ao contara história dos projetos é importante também identificar as competências que você usou para chegar aos resultados”, diz Claudia. Não deixa nada escapar: conhecimentos técnicos utilizados e habilidades comportamentais devem ser explicados.

3 – Pesquise sobre a empresa – Você já sabe qual o seu perfil e repassou os pontos importantes da sua trajetória. “Agora é hora conhecer o perfil da empresa”, diz Claudia.

Comece a pesquisa identificando todo o escopo de atuação da empresa. “O que ela faz, quais são os produtos dela”, diz Claudia. Busque notícias, visite o site. Veja quem são os concorrentes e descubra qual é o momento dela no mercado atual. Está em expansão ou não? Cresceu ou encolheu?

“A partir disso o candidato pode montar uma roteiro de questionamentos para fazer ao recrutador”, diz Claudia. A vantagem é que, na hora em que o entrevistador abrir a entrevista para você fazer perguntas, você vai demonstrar que é interessado e bem informado.

A partir desta pesquisa você também poderá identificar seus pontos de aderência à organização. Como você pode usar o seu conhecimento para contribuir com a empresa? Como suas competências podem ser aproveitadas?

Você também deve tentar descobrir qual é a cultura da organização para ter certeza de que tem o perfil certo para fazer parte do quadro de funcionários. “O processo de seleção é uma via de mão dupla. A empresa escolhe candidatos, mas os candidatos também escolhem a empresa”, lembra Claudia.

4 – Tente descobrir o perfil de quem vai entrevistá-lo – Vai conversar com o presidente da empresa, com o seu potencial gestor, com o diretor de RH? Procure o nome do seu entrevistador nas redes sociais, como LinkedIn, pesquise no Google. “Isso pode ajudar na hora de o candidato direcionar o discurso”, diz Claúdia.

Imagine que você tem uma entrevista com o presidente da empresa e, ao fazer a pesquisa, percebe que este CEO é conhecido por ser um bom estrategista. Ou seja, se demonstrar que está interessado em planejamento estratégico as chances de encantá-lo serão altas.

Você também poderá encontrar um vínculo entre você e ele. Uma recente pesquisa revelou que a identificação cultural vale mais do que o currículo na hora da contratação.

“Você pode descobrir que ele joga tênis, como você, por exemplo”, diz Claudia. Segundo ela, os candidatos não devem se acanhar por medo de serem invasivos. “Se a informação é pública, está na internet, não há problema”, diz Claudia.

Via: Info

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest