10 dicas para dar “asas” à sua criatividade

Imagem Divulgação

Quando se fala a palavra criatividade, muitas pessoas pensam que essa “competência” tão valorizada pelas organizações é privilégio de poucos. Lógico que há aqueles que têm mais facilidade de se destacarem não por apresentarem ideias mirabolantes, mas sim que fazem o diferencial para o âmbito corporativo. Lembremos que todos podem estimular o seu potencial criativo. Seguem abaixo algumas dicas que podem ser aplicadas por qualquer profissional!

1 – Não seja preconceituoso em relação a novos conceitos ou comportamentos que surgem no dia a dia organizacional. As mudanças acontecem a cada minuto e quem se nega a rever ou mesmo a quebrar paradigmas fecha as portas para o próprio potencial criativo.

2 – Quando participar de reuniões e um novo processo for implantado na empresa, por exemplo, escute atentamente e tente captar o máximo de informações que conseguir. Mas, não utilize apenas o seu sistema auditivo. Faça perguntas sobre pontos que não compreendeu e não perca a oportunidade para tirar as dúvidas que ficaram. Caso o momento não seja oportuno, converse com seu gestor e faça questionamentos que estejam relacionados direta ou indiretamente às suas atividades. Isso permitirá que antes mesmo que as inovações cheguem ao seu dia a dia, você comece a planejar estratégias e ter ideias de como poderá solucionar situações que passarão a fazer parte da sua rotina.

3 – Não espere que a criatividade bata à sua porta. Vá à busca dela. Se algum fato atrapalha ou tem chances de interferir no seu desempenho, seja um autodidata. Pesquise casos semelhantes que já foram vivenciados por alguns colegas de trabalho ou outros profissionais que você conhece. Isso não significa que você irá clonar a ideia de outras pessoas, pelo contrário. Você buscará inspiração para adaptar algumas ações à sua realidade, afinal cada situação é única e não deve ser considerada como uma receita de bolo.

4 – Há empresas que oferecem programas/ações que visam estimular a criatividade dos funcionários. Em princípio, o processo pode parecer simples e até mesmo sem sentido para você. Então, aproveite as oportunidades que estão ao seu alcance. Não custa tentar fazer algo diferente!

5 – Por mais que você goste das suas atividades, não permita que a rotina o faça entrar no “controle automático”, afinal você não é uma máquina. Sempre que possível escape da mesmice e tente fazer suas atividades escapando do metodismo. Algumas vezes, quando alteramos nossa sistemática de atividades surgem novas ideias e melhoramos nossa performance.

6 – Não são raros os casos em que nos deparamos com títulos de textos ou ouvimos chamadas de rádio ou de TV que parecem ser direcionadas para pessoas que não se assemelham a nós. São profissionais de outras áreas ou, então, de idades diferentes. Contudo, nos despertam a atenção. Quando isso acontecer, respeite o “sinal” que seu cérebro deu para você e se permita ser curioso. Leia as primeiras linhas, veja ou escute a matéria que será veiculada. Talvez, o seu inconsciente esteja dizendo: “Isso pode ser uma boa ideia para solucionar seu problema”.

7 – Vivemos em sociedade e isso faz com que precisemos cumprir regras, afinal isso estabelece os direitos e os deveres de cada pessoa. Por outro lado, muitas pessoas se podam por terem sido criadas em um ambiente muito rígido e levam isso durante toda a sua vida. Como na infância, repetem a todo o momento para si aquilo que ouviram dos pais ou responsáveis: “Você não pode fazer isso”, “Pare agora e não pergunte o motivo”, “Você está errado”. Isso faz com que muitos indivíduos tenham medo de tentar fazer algo diferenciado, criativo porque ficam preocupados apenas com aquilo que os demais dirão dele. Seja assertivo quando libertar a sua criatividade, defenda suas ideias e seu ponto de vista com coerência, liberte sua mente de antigas correntes que estão unicamente dentro da sua mente.

8 – Se você cometer algum erro na primeira tentativa permita-se tentar uma quarta, uma décima, uma vigésima vez. A cada experiência vivida você acumula aprendizado, pois “O único homem que não erra é aquele que nunca fez nada”, já dizia Franklin Delano Roosevelt.

9 – Seja receptivo aos feedbacks. Quem deseja estimular o potencial criativo precisa estar pronto para ouvir as avaliações sobre suas propostas. Lembro aqui que feedback não deve ser confundido com “policiamento de terceiros”, mas sim retorno de pessoas que agreguem valor ao seu trabalho, à sua vida pessoal. Afinal, ninguém está absolutamente correto e tampouco é o dono da verdade.

10 – Participe de grupos de discussão, de fóruns que abordem temas diferenciados, que valorize a diversidade. Não procure apenas manter “relacionamento” com quem comunga das mesmas ideias que você possui. Vire o outro lado da moeda, abra espaço para a inovação.

Via: RH.com.br

Clube do RH

O Clube do RH surgiu das necessidades e desejos de um grupo de profissionais de Recursos Humanos que sentiam a necessidade de falar de gente, entender gente e desenvolver gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest